European Union External Action

Uma parceria UE-ONU mais forte para enfrentar em conjunto os desafios mundiais

12/07/2021 - 16:10
News stories

Num mundo em rápida evolução, é mais importante do que nunca que a parceria entre a União Europeia e as Nações Unidas seja forte e dinâmica. A UE continuará a apoiar a ONU enquanto fórum indispensável para a cooperação internacional e pedra angular do sistema multilateral.

Promover uma governação multilateral mais eficaz e uma Organização das Nações Unidas pronta para enfrentar os desafios do século XXI constitui uma das grandes prioridades anuais da UE no seio das Nações Unidas hoje adotadas pelo Conselho dos Negócios Estrangeiros. O mundo atual em nada se assemelha àquele que, há 75 anos, assistiu à criação da ONU. Para continuar a ser legítimo, o sistema multilateral centrado na ONU tem de provar que a cooperação internacional pode melhorar a vida dos cidadãos em todo o mundo. O processo iniciado com a adoção da declaração política na reunião de alto nível convocada para comemorar o 75.º aniversário da ONU, em setembro de 2020, constitui uma oportunidade única para transformar e atualizar o sistema da ONU que tem por missão cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e fazer com que juntos avancemos com a "nossa agenda comum".

As prioridades estratégicas da UE para o próximo ano passam por: reconstruir melhor e de forma mais ecológica, reforçar os sistemas de saúde e garantir um acesso seguro e equitativo às vacinas, promover a paz, a segurança e os direitos humanos, lutar contra as alterações climáticas e a perda de biodiversidade e definir a agenda digital mundial. A UE e os seus Estados-Membros continuarão a reunir os intervenientes mundiais com o intuito de materializar essas prioridades a nível multilateral, a fim de construir um mundo mais seguro e mais estável e assegurar uma recuperação mundial sustentável e inclusiva após a pandemia de COVID-19. A UE pretende construir parcerias mais fortes, mais diversificadas e inclusivas com todas as partes interessadas e fazer avançar um multilateralismo verdadeiramente inclusivo e interligado.

Autor