St Pierre and Miquelon

A União Europeia financiou a criação do Centro de Direitos Humanos na Universidade Nacional de Timor-Lorosa’e

29/08/2019 - 02:28
News stories

O primeiro centro de formação, investigação e ligação em rede no domínio dos direitos humanos inicia a sua actividade através de um projecto financiado pela União Europeia.

 

O Centro de Direitos Humanos da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e (UNTL) foi inaugurado em 27 de agosto de 2019. O evento aconteceu num ano e num momento altamente simbólicos para o país e foi incluído no programa oficial das comemorações do 20º aniversário da Consulta Popular sobre Autodeterminação de 30.08.1999.

 

A Inauguração foi agraciada com a participação de personalidades de destaque locais e internacionais, das quais o Prémio Nobel da Paz Dr. José Ramos Horta, o Reitor da UNTL Prof. Doutor Francisco Miguel Martins, o Ministro do Ensino Superior, Ciência e Cultura, Prof. Doutor Longuinhos dos Santos, o Embaixador da União Europeia, Alexandre Leitão, o Secretário-Geral do Campus Global, Prof. Manfred Nowak e o Dr. Tamrat Samuel, ponto focal do Secretário-Geral das Nações Unidas para os assuntos de Timor-Leste ente 1992 e 2000.

 

O Centro de Direitos Humanos faz parte de um projecto de 23 meses de duração que está a ser executado pelo Campus Global de Direitos Humanos, intitulado "Desenvolvimento da Educação e Investigação em Direitos Humanos na Universidade Nacional Timor Lorosa'e".

 

O projecto é totalmente financiado pela União Europeia através do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH) e visa contribuir para a promoção dos direitos humanos, da democracia e do desenvolvimento em Timor-Leste. A criação de um novo Centro de Direitos Humanos numa democracia jovem e que enfrenta inúmeros desafios, será uma oportunidade para o CG utilizar a sua vasta experiência na ligação entre a Academia e a cooperação para o desenvolvimento.

 

Na sua intervenção, o Embaixador Alexandre Leitão disse que “a democracia e os direitos humanos nunca estão adquiridos, são como um corpo vivo que precisa de ser alimentado e, por vezes, sofre doenças, pelo que, a melhor forma de o tratar é incutir nos jovens universitários e futuros líderes timorenses uma cultura baseada nos direitos humanos. Com este centro, a UNTL poderá aceder às redes do conhecimento e investigação globais e ajudar Timor-Leste a consolidar a sua vocação de nação democrática que defende os direitos humanos”. Apelou ainda ao Governo e à Reitoria para que seja garantida a sustentabilidade futura do Centro e sugeriu que, “no âmbito do debate nacional sobre a prioridade do investimento nas infraestruturas e no capital social, se possa fazer a ponte e considerar a Universidade como a infraestrutura do conhecimento”.

 

 

 

 

 

 

 

Languages: