Montserrat and the EU

A caminho da erradicação da pobreza

17/10/2020 - 07:09
Notícias

A pobreza é uma calamidade que afeta milhões de pessoas e que deve ser superada nos dias de hoje. A erradicação da pobreza tem sido uma prioridade fundamental da ação externa da UE. O apoio da UE contribuiu para o surgimento de uma tendência positiva global no sentido de acabar com este fenómeno. A pandemia mundial veio pôr em causa esta tendência. No Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, chegou o momento de refletir sobre a forma como as sociedades devem unir forças para combater a pobreza à escala mundial.

 

Nos últimos vinte anos, assistimos a uma redução do número de pessoas sem capacidade económica para satisfazer as suas necessidades básicas em matéria de alimentação, vestuário, cuidados de saúde e abrigo. O impacto das alterações climáticas, dos conflitos regionais e do crescimento demográfico são fatores que contribuem para a vulnerabilidade de muitas populações. Contudo, graças à solidariedade internacional, temos vindo a assistir a uma evolução positiva.

A UE está empenhada em erradicar a pobreza e em construir um mundo mais justo e estável. Em todo o mundo, a UE age no quadro da política europeia de desenvolvimento, cujo principal objetivo é erradicar a pobreza no contexto do desenvolvimento sustentável. Como declarou o alto representante e Vice-Presidente da UE, Josep Borrell: «Combater a pobreza, melhorar a qualidade de vida e proteger o planeta. É este o verdadeiro desafio».

O impacto da construção de estradas

O investimento no desenvolvimento assume uma multiplicidade e variedade de formas. O que interessa é que traga benefícios concretos para as populações. A UE está empenhada em encontrar soluções que assegurem uma resposta às necessidades das populações, ao mesmo tempo que as ajuda a tornarem-se mais autónomas, tendo em conta o impacto no ambiente que as rodeia.

Um dos exemplos é a construção da estrada de Milange-Mocuba em Moçambique.

Para Teresa Joaquim, a construção desta estrada significou uma maior estabilidade dos seus meios de subsistência e uma melhoria significativa das suas condições de vida: «A construção desta estrada alterou as nossas vidas devido a todos os viajantes. Por vezes, param, fazem algumas compras e continuam a sua viagem. Antigamente, as vendas representavam 150 meticais (MZN) por dia, agora, podemos vender bolos até 300 MZN, 350 MZN, até mesmo 450 MZN por dia. E até consigo encontrar todos os ingredientes necessários aqui no Alto Benfica. Já não tenho de ir até Mocuba.»

No caso de Rose, no Maláui, a melhoria das suas condições de vida não foi originada por uma nova estrada, mas sim por uma nova forma de a utilizar. A sua família beneficiou do programa social de transferência de renda, graças ao qual conseguiram comprar-lhe uma bicicleta para poder frequentar a escola secundária, situada a mais de 15 km de distância.

O acesso à educação é essencial para proporcionar mais oportunidades no futuro e constitui um passo importante para que a Rose possa alcançar o seu sonho, que é ser enfermeira.

Necessidade de reforçar a rede viária

Se, até agora, se tem verificado uma tendência positiva, a pandemia mundial criou novos desafios para os mais vulneráveis. O frágil caminho para a erradicação da pobreza tornou-se ainda mais instável.

Em países como a Nigéria, quatro em cada dez pessoas vivem abaixo do limiar de pobreza. O que significa que a pandemia colocou em risco uma grande percentagem da população, devido ao seu impacto devastador nas vidas e nos meios de subsistência.

A UE e os seus Estados-Membros atuaram rapidamente para atenuar estes riscos adicionais. Em conjunto, aplicaram o pacote Equipa Europa que visa apoiar os países parceiros na luta contra o coronavírus e as suas consequências.

Recentemente, a Delegação da UE na Nigéria forneceu kits de assistência alimentar a pessoas vulneráveis em comunidades de difícil acesso. Os dirigentes locais foram essenciais para identificar as pessoas que mais precisavam de assistência. Um grupo de voluntários comprometidos da Equipa Europa realizou a viagem para estas zonas remotas, descalços e com as calças puxadas para cima durante parte do caminho, para assegurar que as embalagens de alimentos chegassem até à população necessitada.

Esta é uma das numerosas histórias da Equipa Europa que demonstra a necessidade de prestar uma atenção imediata aos mais vulneráveis e que põe em destaque a importância da solidariedade que exige a participação de mais pessoas.

É necessária uma resposta multilateral e a UE tem colaborado com as Nações Unidas e as suas agências para este efeito. A UE continua a ser o maior doador mundial de ajuda ao desenvolvimento, proporcionando mais de 50 % da assistência em todo o mundo e trabalhando em estreita colaboração com os nossos parceiros para concretizar a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Chegou o momento de solicitar um apoio internacional para garantir que o caminho construído até à data não irá entrar em colapso e que continuemos a seguir o caminho para acabar com a pobreza.

Secções editoriais: