Delegation of the European Union to the Holy See,
Order of Malta, UN Organisations in Rome
and to the Republic of San Marino

Declaração conjunta da Alta Representante da UE, Federica Mogherini, e da Representante Especial da ONU para as Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba, por ocasião do Dia Internacional contra a Utilização de Crianças-Soldado

Bruxelles, 12/02/2019 - 15:53, UNIQUE ID: 190212_8
Statements by the HR/VP

Declaração conjunta da Alta Representante da UE, Federica Mogherini, e da Representante Especial da ONU para as Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba, por ocasião do Dia Internacional contra a Utilização de Crianças-Soldado

No Dia Internacional contra a Utilização de Crianças-Soldado, a Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança/Vice-Presidente da Comissão Europeia, Federica Mogherini, e a Representante Especial das Nações Unidas para as Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba, renovaram o compromisso da UE e da ONU de trabalharem em conjunto para pôr termo ao recrutamento e à utilização de crianças em situações de conflito, bem como para apoiar de forma eficaz a reintegração das crianças associadas às partes em conflito.

«Não obstante os longos anos de empenhamento e de progressos nesta matéria, o recrutamento e a utilização de crianças continuam a verificar-se em inúmeros conflitos. Trata-se de crianças retiradas às suas famílias e comunidades, às quais é negada a infância, a educação e cuidados de saúde, bem como a possibilidade de crescerem num ambiente seguro e favorável. Quando as crianças são libertadas, procuramos apoiar estes rapazes e raparigas, nomeadamente trabalhando para evitar a recorrência de conflitos e para construir uma paz duradoura. Continuaremos a trabalhar para assegurar que os direitos humanos das crianças sejam plenamente integrados no trabalho global de prevenção de conflitos, de consolidação da paz, de mediação e reconstrução. Todas as crianças têm o direito de ir à escola e de poder decidir o seu próprio futuro», afirmaram Federica Mogherini e Virginia Gamba.

 Num contexto em que a complexidade dos conflitos está a aumentar, a colaboração entre a União Europeia e o Gabinete da Representante Especial é essencial para garantir a melhor resposta possível para os rapazes e as raparigas utilizados e vítimas de abuso no âmbito de conflitos armados. Ao longo dos anos, a UE e a ONU têm apoiado continuamente os esforços que visam impedir o recrutamento e a utilização de crianças em conflitos, obter a sua libertação e assegurar a sua reinserção. No Uganda, na parte oriental da República Democrática do Congo, na República Centro-Africana, no Sudão e na Síria, a União tem prestado ajuda a crianças carenciadas, reintegrando em famílias as crianças associadas às forças armadas e a grupos armados ou proporcionando-lhes proteção alternativa e reintegrando-as de novo na escola. Na Mauritânia, a UE apoia as Nações Unidas para propor às crianças-soldado refugiadas originárias do Mali apoio psicossocial e a inserção no sistema educativo, bem como para promover a sua reinserção socioeconómica. Na Colômbia, centenas de crianças afetadas pelo conflito armado e por grupos armados foram identificadas, a fim de poderem beneficiar de ajuda à reintegração e, no Sudão, um projeto para a libertação e a reintegração de crianças apoia a execução do Plano de Ação que visa prevenir e pôr termo ao recrutamento de crianças, apoiando igualmente os esforços para prevenir o recrutamento de crianças em risco.

Dado que a educação é fundamental para prevenir a utilização de crianças em conflitos e para apoiar os esforços de reintegração, as crianças associadas às forças armadas e a grupos armados beneficiam, prioritariamente, de ajuda ao acesso à educação. Para o efeito, a partir deste ano a UE tem por objetivo aumentar o financiamento humanitário destinado à educação em situações de emergência para 10 % do orçamento geral da UE afeto à ajuda humanitária, bem como integrar na escola, no prazo de 3 meses, as crianças vítimas de crises humanitárias. A UE continua a ser um acérrimo apoiante do mandato das Nações Unidas no que respeita às crianças e aos conflitos armados, que dispõe de instrumentos com um impacto real no terreno.

A UE e as Nações Unidas apoiam atualmente a execução de planos de ação para prevenir e pôr termo ao recrutamento e à utilização de crianças por 15 partes envolvidas em conflitos, com uma mobilização reforçada nos países afetados pela agenda «Crianças e conflitos armados». Este trabalho, que conta com o apoio das Nações Unidas e das ONG parceiras, bem como dos Estados-Membros, conduziu à libertação de milhares de crianças em 2018. A sensibilização e o empenhamento conduzem igualmente a evoluções positivas nos domínios da proteção de escolas e hospitais, da luta contra a violência sexual nos conflitos e da prevenção e luta contra outras violações graves contra crianças.

Ao celebrarmos o 19.º aniversário do Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à Participação de Crianças em Conflitos Armados, a UE e a ONU comprometem-se a continuar a trabalhar em conjunto para ficarem mais bem equipadas e se complementarem na resolução desta problemática em todo o mundo. As crianças são os garantes de um futuro melhor, e cabe-nos a todos nós proporcionar-lhes os meios necessários para poderem desempenhar o seu papel na nossa sociedade.

 

Secções editoriais: