Delegation of the European Union to Tajikistan

Os 10 anos do SEAE – Para a Europa, em todo o mundo.

02/12/2020 - 21:06
From the blog

2/12/2020 – Blogue do AR/VP – Terça-feira, 1 de dezembro, foi um dia especial. Assinalou o meu primeiro ano nas funções de AR/VP e também o 10.º aniversário do SEAE. Foi uma boa oportunidade para dar um passo atrás e refletir sobre o que foi alcançado e para onde iremos agora.

«O SEAE é chamado um serviço por algum motivo. É um privilégio servir a UE e ajudar a criar um mundo melhor. Trabalhar para a Europa, em todo o mundo.» #EEAS10

 

Foi precisamente essa a ideia subjacente ao debate A UE num mundo em mudança – Manter o rumo em águas perturbadas que organizámos e que reuniu, pela primeira vez, três Altos Representantes (é evidente que também convidámos a Cathy Ashton, mas infelizmente não estava disponível). Foi um verdadeiro prazer, para mim, debater a evolução dos últimos anos e o papel que o SEAE desempenhou a este respeito com Federica Mogherini e Javier Solana, que são ambos não apenas os meus antecessores, mas também bons amigos.

Foi também tocante ouvir vozes extra-UE, como António Guterres, Madeleine Albright e Juan Manuel Santos. Apresentaram a forma como trabalharam com o SEAE e manifestaram o seu apreço por este ser um parceiro fiável e de confiança para pôr termo a conflitos e resolver conjuntamente problemas comuns. Por vezes, precisamos de ouvir como os outros nos veem e o que fizemos por eles. E também como podemos melhorar as coisas. A isso chama-se perspetiva; pode ajudar a corrigir erros, mas também servir de incentivo.

Numa conversa moderada por Cristine Ockrent, analisámos os tumultuosos últimos anos. Ao ser-nos perguntado qual seria a nossa escolha relativamente a um momento ou decisão memorável, Javier Solana afirmou que, para si, foi o desenvolvimento de capacidades de gestão de crises, a fim de permitir que a UE seja um interveniente no domínio da segurança no terreno. Federica Mogherini destacou a celebração do acordo nuclear com o Irão e o lançamento da cooperação estruturada permanente (CEP), que proporcionou uma forte aceleração à integração da defesa europeia. Eu mencionei o meu segundo dia em funções, quando participei na cerimónia em Paris em homenagem aos soldados franceses que perderam a vida no combate ao terrorismo no Mali. A sua dedicação serve como lembrança para a necessidade de os europeus se empenharem no trabalho pela segurança e pela paz, por vezes longe da Europa.

Ao continuar a discorrer sobre as mudanças dos últimos anos, Javier Solana lembrou-nos que precisamos constantemente de aprender lições. E na UE aprendemos muitas. Por exemplo, a nossa resposta às consequências económicas da pandemia foi muito mais rápida e eficaz do que a que demos à crise financeira. Federica Mogherini sublinhou a complexidade crescente dos problemas atuais, que exigem abordagens integradas e a necessidade de dimensionamento, que apenas a UE pode proporcionar. Quanto a mim, destaquei a importância das narrativas no mundo atual e de a UE ser mais proativa neste domínio, expondo aquilo que fazemos e porquê. Se não o fizermos, outros o farão.

 

Ao combinarmos memórias pessoais e reflexões analíticas, abrangemos a evolução na transformação da UE como um interveniente credível no domínio da segurança e o papel da UE em «tornar o multilateralismo novamente grande» 

 

Ao combinarmos memórias pessoais e reflexões analíticas, abrangemos a evolução na transformação da UE como um interveniente credível no domínio da segurança e o papel da UE em «tornar o multilateralismo novamente grande». Naturalmente, dado o papel central do SEAE na celebração do acordo nuclear com o Irão, discutimos durante bastante tempo quais foram os principais ingredientes para este sucesso diplomático, como os europeus conseguiram manter o acordo vivo após a retirada pela atual administração dos EUA e o que devemos fazer agora, com a entrada em funções de um novo Presidente dos EUA, a fim de assegurar o pleno cumprimento por todas as partes.

Em suma, foi um evento memorável, com excelentes perguntas colocadas pelo público em linha e muito envolvimento nas redes sociais. Reforçou a minha convicção de que o SEAE, repleto de pessoal empenhado e profissional, desempenha um papel único como interface entre a Europa e o mundo em geral. Estou muito orgulhoso do seu trabalho, tal como a Presidente Ursula von der Leyen também se manifestou. Afinal, uma organização é tão sólida quanto as mulheres e os homens que para ela trabalham.

Acima de tudo, o SEAE é chamado um serviço por algum motivo. É um privilégio servir a UE e os respetivos cidadãos e ajudar a criar um mundo melhor. Trabalhar para a Europa, em todo o mundo.

Pode ver alguns dos destaques do debate aqui e visualizar uma gravação do debate integral aqui.

 

Secções editoriais: