Delegation of the European Union to Mozambique

Mesa-Redonda Moçambique-União Europeia discute desafios e oportunidades da implementação da Zona de Comércio Livre Continental Africana

12/05/2021 - 14:31
News stories

A Delegação da União Europeia em Maputo acolheu, como parte das celebrações da Semana da Europa em Moçambique, a terceira edição da Mesa-Redonda Moçambique-União Europeia, que visava atrair a atenção para temas com incidência na economia moçambicana e unir os esforços dos sectores público e privado para melhorar o clima empresarial e de investimento em Moçambique.

 

O evento que foi uma parceria com o Ministério da Indústria e Comércio e a Associação das Câmaras de Comércio Europeias (EUROCAM) discutiu o Acordo de Livre-Comércio Continental Africano como um factor de mudança no ambiente económico e comercial no continente, no sentido de promover o comércio intra-africano, e em Moçambique, no sentido de mais inclusivo e criar oportunidades de comércio livre e multilateralismo, uma visão defendida pela União Europeia por experiência própria de um mercado único.

A visão da criação da Zona de Comércio Livre Continental Africana simboliza progresso, no sentido da unidade africana. Este Acordo diz respeito a comércio de bens e serviços, pois é importante termos em conta que, menos de 20% do comércio africano é interno, o que significa de um país africano para outro. No entanto, nos blocos comerciais regionais mais ricos do mundo, o nível do comércio interno é três ou quatro vezes superior.

Na sessão de abertura, o Embaixador da União Europeia, Antonio Sánchez-Benedito Gaspar, destacou a visão da União Europeia a longo prazo de uma aplicação bem-sucedida do Acordo de Livre-Comércio Continental Africano, traduzido no aumento do comércio intra-africano mas também negócios com o resto do mundo.

A União Europeia, segundo disse, permanece disponível para contribuir com ideias construtivas de como integrar Moçambique com sucesso na Zona de Comércio Livre Continental depois da positiva experiência de integração regional no âmbito do Acordo de Parceria Económica UE-SADC, com a promoção de cadeias de valor regionais e a eliminação dos obstáculos ao comércio.

“É tempo de investir em Moçambique e em África. Reconhecendo que, a ajuda ao desenvolvimento por si só não proporcionará os postos de trabalho de que o continente necessita, a «Aliança África-Europa para Investimentos e Empregos Sustentáveis» estabelece uma agenda económica abrangente, uma mudança radical na forma como trabalhamos como parceiros, centrados no potencial económico de África, nas reformas conducentes ao crescimento, na agenda de integração continental) e na mobilização do sector privado”, disse o Embaixador.

 Por seu lado, falando em nome do Governo de Moçambique, o Ministro dos Recursos Minerais e Energia, Max Tonela, falou da importância da crescente e reforçada cooperação entre a União Europeia e Moçambique que tem resultado em contribuições significativas ao desenvolvimento de infraestruturas, criação de novas oportunidades de emprego, a atração de investimento europeu e a promoção do desenvolvimento sustentável. O Ministro saudou a presença crescente do empresariado europeu em Moçambique e seu papel na dinamização da economia.

No tópico da Zona de Comércio Livre Continental, o Ministro fez menção “à experiência europeia como uma mais valia no apoio a Moçambique na integração comercial continental. Moçambique irá enfrentar desafios para a efectivação do Acordo, mas ao mesmo tempo terá espaço para a expansão das suas importações e obter ganhos efectivos e o benefício máximo com o envolvimento activo do empresariado moçambicano e europeu.“

A Mesa Redonda contou ainda com as intervenções  de oradores da Comissão Económica das Nações Unidas para a África (UNECA), da Southern African Development Community (SADC) Women in Business e da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA).

 

Editorial Sections:

Author