Delegation of the European Union to Mexico

Contra ventos e marés: as pessoas com albinismo

13/06/2021 - 06:30
News stories

«Tinha muito medo de ir à escola e tentava concentrar-me nos meus estudos» afirma Chinsisi, um rapaz albino de 14 anos, sobre as adversidades que tem de enfrentar para frequentar a escola e estudar. As pessoas com albinismo, como Chinsisi, são vítimas de mitos alimentados pela superstição e de múltiplas formas de discriminação em todo o mundo.

Boy with Albinism © Dieter Telemans
© Dieter Telemans

«No Dia Internacional de Sensibilização para o Albinismo, que se comemora a 13 de junho, a UE defende as pessoas com albinismo em todo o mundo, apoiando-as na sua luta por uma vida livre de discriminação, estigmatização e violência», declarou hoje o alto representante e vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell.

 

O albinismo é uma doença genética e hereditária que resulta na falta de pigmentos de melanina no cabelo, na pele e nos olhos. Ocorre em todo o mundo, independentemente da origem étnica ou do género. O albinismo provoca uma grande vulnerabilidade à exposição solar, mas, para além das consequências puramente médicas relacionadas com uma pele muito branca, a profunda incompreensão social e médica do albinismo é fonte de estigma, discriminação e violência profundamente enraizadas na sociedade.

A rutura do silêncio mortal

Num momento em que a diversidade é celebrada, as crianças e os adultos com albinismo sofrem múltiplas e significativas violações dos seus direitos humanos fundamentais.

Devido à sua pele e à convicção de que podem ser fonte de infortúnio, as mães de crianças com albinismo são frequentemente rejeitadas pelas suas famílias e as crianças com albinismo são frequentemente abandonadas, sendo, por vezes, vítimas de infanticídio. A falta de compreensão e os profundos preconceitos impedem o acesso a cuidados de saúde, serviços sociais, emprego e proteção jurídica adequados. O seu acesso à educação é frequentemente dificultado por um alojamento inadequado à sua deficiência visual ou em termos de segurança.

A União Europeia apoia medidas para proteger e ajudar as pessoas com albinismo e mitigar os desafios enfrentados que estas pessoas enfrentam. A UE colabora a nível internacional com organizações como o Fórum Regional do Albinismo para reforçar as organizações de pessoas com albinismo em todo o continente africano.

Embora, no mundo ocidental, o seu estigma conduza frequentemente a chamar nomes e a intimidar, em alguns países africanos, os preconceitos e as crenças profundamente enraizados são a causa de centenas de casos de ataques e assassinatos de pessoas com albinismo. A pandemia da COVID-19 agravou as violações dos direitos humanos decorrentes de acusações de feitiçaria e ataques rituais.

A União Europeia continua a apelar à investigação eficaz dos crimes contra pessoas com albinismo e a julgamentos justos. A nível internacional, a UE continua a apoiar a perita independente das Nações Unidas no domínio do exercício dos direitos humanos das pessoas com albinismo e a aplicar efetivamente o Plano de Ação Regional sobre o Albinismo em África 2017-2021, uma resposta à escala do continente, aprovada pela Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos.

Contra todas as adversidades  

No Maláui, ir para a escola é um risco para as crianças com albinismo. Uma em cada 130 pessoas no Maláui tem albinismo, mais de 134 000 no total. Destas, 40 % (cerca de 53 000) têm idade para frequentar o ensino primário e secundário. Em algumas comunidades, são atacadas ou mesmo mortas por motivos relacionados com partes do seu corpo, que são utilizadas para produzir amuletos e talismãs que muita gente acredita terem poderes mágicos.

Chinsisi, de 14 anos de idade, é uma das crianças albinas corajosas que lutam contra as adversidades para continuarem a ir à escola e estudar.

 «Tinha muito medo de ir à escola e tentava concentrar-me nos meus estudos antes de receber o alarme. Agora é uma das minhas armas contra qualquer ameaça que apareça», afirma.

Chinsisi e outros jovens com albinismo receberam um dispositivo de alarme, para alertar as pessoas e as autoridades de segurança em caso de ataque. Também lhes foi ensinado como se protegerem, graças a uma colaboração entre a escola e a comunidade, no âmbito do Programa Conjunto das Nações Unidas para a Educação das Raparigas.

Quando Chinsisi perdeu o pai aos 4 anos, muitas pessoas da sua aldeia pensavam que o seu futuro tinha terminado. «Tenho seis irmãos, todos a cargo da minha mãe», afirma. «A sobrevivência de toda a família tem sido particularmente difícil para a minha mãe. A sua luta pela nossa sobrevivência motiva-me a ir à escola e a trabalhar arduamente, para no futuro poder ajudar a minha família.»

Ser educado por uma mãe solteira numa família pobre seria sempre difícil. Dez anos depois, há a perspetiva de um futuro melhor para Chinsisi. Leia toda a história.

Secções editoriais:

Autor