Delegation of the European Union to Honduras

Um dia para festejar a diversidade cultural

21/05/2021 - 13:22
News stories

O Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento é um dia especial, um dia em que se comemora a multiplicidade das maneiras como a arte torna as nossas vidas mais ricas, quer sob a forma de música quer de poesia quer de dança ou de cinematografia, isto é, numa variedade infinita de formas. Esta ocasião é também uma oportunidade para aprofundar o nosso conhecimento dos valores da diversidade cultural.

Artist Ider Uuliin Nuur Park - Nogoonbaatar Eco Art Festival

«A cultura está no centro dos desafios que enfrentamos a nível mundial, nomeadamente a transição para uma economia verde e digital. A realização de maiores progressos, mais sustentáveis, vai implicar mudanças culturais para todos nós.»

- Declaração conjunta do Alto Representante/Vice-Presidente Borrell e das Comissárias Gabriel e Urpilainen no Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento

 

Uma vez que a UE é parte na Convenção da UNESCO sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais , adotada em outubro de 2005, as delegações da UE, os Estados-Membros e os agentes culturais locais unem esforços para promover a diversidade cultural em todo o mundo.

Os programa Espaços Europeus da Cultura é um dos programas culturais mais ambiciosos da UE, que visa reforçam a diversidade cultural em todas as suas expressões. Oito países: Benim - El Salvador, Guatemala, Honduras – Etiópia – Mongólia – Sri Lanca – EUA, estão envolvidos em seis modelos inovadores distintos que visam a sustentabilidade mediante a cultura, a inovação digital, a paz e estabilidade, os direitos culturais  e a liberdade de expressão.

 

Apoiar sistemas de governação sustentáveis no domínio da cultura

A Convenção da UNESCO de 2005 visa proteger e promover a diversidade das expressões culturais, com base em processos e sistemas de governação esclarecidos, transparentes e participativos. Há que apoiar a criação, a produção, a distribuição e o acesso a atividades culturais diversificadas.

Etiópia – Festival Tibeb Be Adebabay

A política cultural da Etiópia centra-se nos domínios do património, do turismo e das indústrias culturais. O espaço público raramente pode ser utilizado por artistas ou intervenientes da sociedade civil para promover encontros entre as pessoas.

O festival Tibeb be Adebabay («Arte no Espaço Público» em amárico) é um festival de rua participativo que decorre no espaço público em Addis Abeba. Surgido da convicção de que a cultura não é um luxo, mas uma necessidade, este festival pretende proporcionar novas experiências no domínio público aos residentes de Adis Abeba. O principal objetivo do festival é levar o público a participar na criação de obras de arte com artistas na rua. O festival pretende também abordar esta questão mediante suscitando oportunidades para o diálogo social e a colaboração.

A campanha «O nosso futuro juntos», que visa sensibilizar para o papel que as artes desempenham na sociedade, é outro elemento importante desse compromisso.

 

Photograph: Tibeb be Adebabay - Addis Street Art
Addis Street Art é um projeto que permite às pessoas reunir-se e participar na criação de murais urbanos e outras formas de arte de rua utilizando graffiti e outras técnicas. Fotografia: Tibeb be Adebabay

 

Assegurar um fluxo equilibrado de bens e serviços culturais e aumentar a mobilidade dos artistas e dos profissionais da cultura

O acesso livre e equitativo à cultura, bem como a livre circulação de bens e serviços culturais, são fundamentais para um setor que tem sido especialmente afetado pela crise da COVID. A livre circulação de artistas e dos profissionais da cultura também é necessária para promover a diversidade cultural.

Sri Lanca – Festival de artes interdisciplinar Colomboscope: a língua e a a pertença múltipla

No Sri Lanca, a vida de artista implica uma luta constante para assegurar meios de subsistência profissionais no setor cultural devido à falta de financiamento público, de bibliotecas de arte acessíveis e de arquivos de fonte aberta. O festival Colomboscope oferece aos produtores criativos a oportunidade de levarem a cabo um debate horizontal sobre questões criativas, bem como sobre temas de urgência sociopolítica. No período que antecede o próximo festival Colomboscope, terão lugar seminários de desenvolvimento profissional, clubes de tutoria e residências em tandem em diferentes regiões do Sri Lanca, reunindo práticas culturais contemporâneas que investigam fenómenos locais e mundiais. As obras produzidas durante o projeto vão desde cinema e instalações à edição criativa, passando pela declamação de poesia. As populações locais podem assistir a elaboração das obras de arte no âmbito de estúdios abertos regionais, as quais serão também apresentadas no Colomboscope 2021.

 

Integrar a cultura em enquadramentos de desenvolvimento sustentável

A cultura e os setores criativos no seu conjunto são reconhecidos como sendo um motor do desenvolvimento social e económico.

Benim – Urban Cult Lab'Africa

A urbanização no continente africano é um processo que envolve culturas, línguas, tradições e patrimónios diferentes. O Urban Cult Lab’ Africa pretende contribuir para fazer desta diversidade uma oportunidade tendo em vista evitar fontes de tensão e de conflito e desenvolver uma amálgama de competências e talentos para encontrar soluções para questões relacionadas com a urbanização. O projeto Urban Cult Lab’ Africa reúne seis laboratórios de fabricação do Benim, Burquina Faso, Costa do Marfim, Mali, Mauritânia e Togo, na África Ocidental, que concebem conjuntamente eventos culturais, tais como residências de artistas, eventos ao vivo e exposições.

O projeto é alimentado por uma série de colaborações regionais entre esses laboratórios no domínio da inovação digital, tendo em vista a educação, os criadores e os artistas, assim como os bens e os serviços. O Urban Cult Lab’ Africa promove a inclusão social, incentivando a reapropriação dos espaços urbanos para levar o seu programa criativo até um público tão vasto quanto possível.

culture

Tal como muitos espaços colaborativos em todo o mundo, o Blolab Bénin luta contra a propagação do coronavírus, utilizando a tecnologia de impressão 3D para produzir máscaras e viseiras. O Blolab é parceiro do Urban Cult Lab Africa. Fotografia: Blolab Bénin

 

Promover os direitos humanos e as liberdades fundamentais

O respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais é uma condição prévia da diversidade das expressões culturais.

Mongólia – Festival Internacional de Arte e Ecologia Nogoonbaatar

Metade da população da Mongólia vive em Ulaanbaatar, uma das capitais mais poluídas da Terra. As partículas finas são responsáveis por numerosos problemas de saúde e mortes prematuras. Constituem uma grande ameaça para as gerações mais jovens, que só tende a crescer com a expansão da população e o aumento do êxodo rural. O festival Nogoonbaatar («Herói verde»), o primeiro festival de arte e ecologia do país, espera contribuir para mudar esta situação crítica. O festival tem lugar no distrito de Ger, notório pela intensa poluição resultante da combustão de carvão. Artistas locais, artistas europeus residentes e educadores ambientais desenvolvem projetos e eventos artísticos em centros comunitários, escolas e espaços públicos, utilizando uma abordagem interpessoal.

Todas as atividades do festival chamam a atenção para os efeitos da poluição atmosférica e promovem as melhores práticas em favor de um estilo de vida mais sustentável. O objetivo é sensibilizar o grande público para a poluição atmosférica (tanto no interior como no exterior) e o seu impacto na saúde, promover boas práticas, nomeadamente métodos de prevenção e proteção, e apresentar soluções menos dispendiosas para diminuir a poluição (isolamento, ventilação, plantação de árvores, sistemas de aquecimento e combustíveis mais limpos) utilizando um método de aprendizagem na prática.

 

CLIC: outro projeto cultural financiado pela UE em Cuba

A UE e os países da UE têm uma longa tradição de cooperação no setor cultural em Cuba. O polo EUNIC Cuba, recentemente criado, procura criar sinergias e aumentar o impacto das suas atividades de cooperação cultural. A fim de alcançar este objetivo, a delegação da UE em Cuba atribuiu um orçamento para o projeto CLIC, uma iniciativa do polo EUNIC Cuba.

Na primeira fase do projeto, a tónica foi colocada no reforço das iniciativas locais que já existiam e das estruturas locais existentes nas indústrias culturais. O projeto CLIC apoia a organização de atividades de intercâmbio, educação, investigação, promoção e cocriação em torno de quatro domínios estratégicos:

  • Apoio ao desenvolvimento das indústrias culturais cubanas
  • Reforço da capacidade dos criadores e dos profissionais que lhes estão associados
  • Inserção de artistas cubanos em redes e mercados profissionais na Europa
  • Estímulo do urbanismo inovador, inclusivo e resiliente em Havana

Todas as atividades são realizadas no intuito de promover os jovens criadores  cubanos e de ligar artistas e profissionais cubanos aos seus homólogos europeus, reforçando assim as suas capacidades. O CLIC baseia-se numa troca de experiências e conhecimentos, na qual participam peritos cubanos e europeus das disciplinas mais variadas: cinema, dança, moda, música, arquitetura e artes visuais.

 

 

Secções editoriais:

Autor