Delegation of the European Union to Haiti

Chegou o momento de agir #em prol da Natureza

05/06/2020 - 07:53
News stories

A biodiversidade está na origem de toda a vida, tanto na terra como debaixo de água. Tem impacto na saúde humana, dá-nos o ar que respiramos, a água que bebemos, os alimentos que consumimos, aumenta a resistência natural às doenças, fornece-nos os medicamentos e permite atenuar as alterações climáticas. O surgimento da COVID-19 demonstrou que, quando destruímos a biodiversidade, destruímos o sistema que sustenta a vida humana. A natureza está a enviar-nos uma mensagem. Assim, este ano o tema para o Dia Mundial do Ambiente é a biodiversidade — uma preocupação que é simultaneamente urgente e existencial. Proteger a natureza e inverter a degradação dos ecossistemas constitui o objetivo central do Pacto Ecológico da UE e é a lógica subjacente à nova estratégia da UE em matéria de biodiversidade para 2030.

A alteração num elemento da cadeia de biodiversidade pode ter um impacto sobre todo o sistema da vida, com possíveis consequências negativas. As ações humanas, incluindo a desflorestação, a invasão dos habitats das espécies selvagens, a intensificação da agricultura e a aceleração das alterações climáticas têm levado a natureza além dos seus limites. A perda de biodiversidade terá graves consequências para a humanidade, incluindo o colapso dos sistemas alimentares e de saúde.

A população mundial de espécies selvagens diminuiu 60 % nos últimos 40 anos. Pelo menos 40 % da economia mundial e 80 % das necessidades das populações pobres dependem dos recursos biológicos. Por essa razão, a perda de biodiversidade é a ameaça ambiental global mais crítica paralelamente às alterações climáticas — e as duas estão indissociavelmente ligadas. 

 

A luta contra as alterações climáticas e a degradação ambiental é um problema global, que requer uma resposta global. O Pacto Ecológico Europeu visa lutar contra as alterações climáticas, preservar a biodiversidade, os oceanos e as florestas, promover uma agricultura sustentável e uma alimentação segura, reduzir a poluição, desenvolver cidades verdes e uma economia circular. 

 

Enquanto parte essencial do Pacto Ecológico Europeu, a Estratégia de Biodiversidade da UE para 2030 tem por objetivo proteger 30 % das terras e do mar na UE e assegurar uma partilha justa e equitativa dos benefícios da utilização dos recursos genéticos associados à biodiversidade, colocando a UE numa posição de liderança mundial. 

 

Num mundo em que a utilização de materiais deverá duplicar até 2060, devemos também procurar utilizar os recursos de forma mais eficiente e aumentar os volumes obtidos a partir da reciclagem. O novo Plano de ação da UE para a economia circular, outro elemento essencial do Pacto Ecológico Europeu, visa preparar a nossa economia para um futuro verde, reforçar a nossa competitividade, mantendo a proteção do ambiente, e conceder novos direitos aos consumidores.

 

A UE só pode ter êxito se os seus esforços conduzirem a uma transição mundial para uma economia justa, neutra em termos de clima, eficiente em termos de recursos e circular, e que respeite a natureza. E isto é válido mesmo perante a crise da COVID-19. Na sua resposta global à COVID-19, a UE está determinada a defender os seus objetivos estratégicos em matéria de ambiente e alterações climáticas, tal como estabelecidos no Pacto Ecológico Europeu, que não só permanecem válidos, como são hoje mais importantes do que nunca.

 

Iniciativas ambientais apoiadas pela UE — Histórias de sucesso

 

A história de Le Thi Trang — Vietname

Le Thi Trang participou na iniciativa agir #em prol da Natureza. Mobilizou a sua comunidade para proteger a península de Son Tra no Vietname contra o desenvolvimento descontrolado do turismo, salvando assim a maior população de semnopitecos-jaspeados, (Pygathrix nemaeus) do país, ameaçados de extinção. Trang faz parte do grupo de 10 «heróis de zonas críticas» reconhecidos pelo Fundo de Parceria para os Ecossistemas de Importância Crítica, o Critical Ecosystem Partnership Fund, apoiado pela UE, por dedicarem a sua vida à proteção da biodiversidade.  

«Em particular, acredito na capacitação dos jovens para salvar a vida selvagem. Assim, vou focar-me em dar o exemplo e orientar os jovens ambientalistas locais para desenvolverem as suas carreiras», afirma La Thi Trang Ler a história de Trang.

 

Trang com colegas da Reserva Natural de Son Tra © GreenViet

 

Proteger os recursos das zonas húmidas no Sara

Apoiado pela UE, o projeto «Reforçar os conhecimentos especializados na África subsariana sobre aves e a sua utilização racional para as comunidades e o seu ambiente» (RESSOURCE) visa melhorar a gestão dos recursos naturais nas grandes zonas húmidas do Sael, das quais as populações locais colhem muitos benefícios, nomeadamente em termos de segurança alimentar e de desenvolvimento local. As aves aquáticas constituem o principal recurso natural visado pelo projeto. O projeto RESSOURCE, coordenado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) é uma iniciativa conjunta destinada a garantir um ambiente sustentável. Informações sobre o programa RESSOURCE (em francês).

 

História de Nirina, Madagáscar

Nirina, uma empresária e chefe de uma família monoparental em Madagáscar, está a seguir uma formação de criação de aves de capoeira para não depender da caça selvagem para alimentar a sua família. A UE está a ajudar Nirina a melhorar a segurança alimentar e a conservação e utilização sustentável da vida selvagem, através do programa de gestão sustentável da vida selvagem.

«O que é muito difícil, porque sou sozinha, é criar as minhas duas filhas... fui convidada a participar neste curso de formação de criação de galinhas. Deixaremos de ter problemas alimentares se o projeto funcionar bem, mas também ganharemos dinheiro e espero que as pessoas nos possam ver como um exemplo a seguir», explica Nirina. Veja a sua história:

 

Garantir o acesso a água potável e saneamento em Quiribáti

Os principais objetivos do Pacto Ecológico Europeu incluem a luta contra a crise ambiental, em especial a poluição do ar, da água e do solo. A água potável deve estar disponível em quantidade suficiente, ser acessível, de qualidade aceitável e a preços comportáveis para todos, sem discriminação. Contudo, apesar dos progressos, milhares de milhões de pessoas ainda não têm acesso a água potável nem a saneamento. Acaba de ser lançada uma nova parceria entre a UE, a UNICEF e o Governo de Quiribáti, a fim de melhorar o acesso à água, ao saneamento e a uma melhor higiene para as comunidades que vivem nas ilhas mais afastadas em Quiribáti.

 

As delegações disponibilizam tempo #em prol da Natureza

As delegações da UE estão igualmente empenhadas em disponibilizar tempo em prol da natureza, na medida em que contribuem para a aplicação do Pacto Ecológico Europeu nas nossas parcerias em todo o mundo.

 

 

Secções editoriais: