Delegação da União Europeia na Guiné-Bissau

Uma União Europeia mais forte dentro de um mundo melhor, mais verde e mais seguro - princípios-chave que guiarão meu mandato

02/12/2019 - 16:03
News stories

Tenho a honra de assumir o papel de Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança e de Vice-Presidente da Comissão Europeia.

 

Tenho a honra de assumir o papel de Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança e de Vice-Presidente da Comissão Europeia. Num mundo cada vez mais contestado e complexo, a responsabilidade de orientar a nossa política externa comum não é para encarar de forma leviana. Enquanto líder mundial, a União Europeia produz efeitos reais — na nossa vizinhança imediata e em todo o mundo.

Tudo farei para que a União Europeia continue a ser um ator mundial fiável, cooperativo e de princípios, trabalhando para uma Europa mais segura e um mundo mais seguro. Colaborarei ativamente com os nossos parceiros internacionais para prevenir e responder a crises e fazer face a desafios globais como as alterações climáticas, a migração irregular ou a desigualdade. Quero que a União Europeia seja um interveniente ainda mais forte no mundo e um ponto de referência para a estabilidade e o desenvolvimento mundial.

A União Europeia tem de dar resposta a esta missão crucial. Temos todos os instrumentos e recursos disponíveis — da diplomacia ao comércio, a cooperação para o desenvolvimento e a gestão de crises. Estabelecemos regras e normas mundiais e atuamos como um defensor constante do multilateralismo e dos valores democráticos. A combinação destes ativos faz com que um líder responda aos desafios globais e mostre o caminho a seguir. A nossa política externa e de segurança comum constitui a base para assumir um papel mais importante no mundo.

Ao ajudar a construir uma União Europeia mais forte, guiar-me-ei pelos seguintes princípios:

Realismo: Temos de pensar e agir como líder mundial. Precisamos de agir com base numa visão comum clara dos nossos objetivos e interesses estratégicos. Precisamos de associar os aspetos internos e externos das nossas políticas, utilizar o seu efeito de alavanca e tomar decisões mais rápidas e eficazes.

Unidade: Precisamos de uma política externa verdadeiramente integrada que combine o poder dos Estados-Membros da UE e o potencial da sua ação conjunta, com a mobilização coordenada dos instrumentos da UE. Só desta forma é que a nossa voz comum será ouvida e clara.

Parcerias: Os desafios globais atuais exigem respostas colectivas. Estabelecer parcerias encontra-se no DNA da União Europeia. O multilateralismo está no cerne da nossa ação a nível mundial. Poderá ser necessário aperfeiçoar o sistema baseado em regras e torná-lo adequado ao século 21, mas não vamos abandoná-lo.

A União Europeia tem uma responsabilidade para com os seus cidadãos e parceiros em todo o mundo. A responsabilidade de garantir a segurança e a paz, promover o desenvolvimento sustentável, a democracia e o Estado de direito, as liberdades fundamentais e os direitos humanos. Aguardo com expectativa a oportunidade de fazer avançar esta visão e de contribuir para a construção de uma União Europeia mais forte num mundo melhor, mais ecológico e mais seguro.

No início do meu mandato, participarei em Madrid na abertura da Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP 25), antes de viajar para Paris, a fim de prestar homenagem aos 13 soldados franceses que morreram recentemente no Mali.

Josep Borrell

Secções editoriais: