Delegation of the European Union for the Pacific
Responsible for Cook Islands, Federated States of Micronesia, Fiji, Kiribati, Nauru, Niue, Palau, Republic of Marshall Islands, Samoa, Solomon Islands, Tonga, Tuvalu, Vanuatu as well as the three Overseas Countries and Territories in the Pacific.

Da visão à ação: A estratégia global da UE na prática — três anos volvidos, um olhar para o futuro

14/06/2019 - 08:45
News stories

A Alta Representante/Vice-Presidente, Federica Mogherini, apresentou o terceiro relatório intercalar sobre a aplicação da estratégia global da União Europeia, «A estratégia global da UE na prática — três anos volvidos, um olhar para o futuro», que será debatido pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros e pelos Ministros da Defesa da UE no âmbito do Conselho dos Negócios Estrangeiros que terá lugar em 17 de junho de 2019, no Luxemburgo. O relatório analisa os progressos alcançados durante os últimos três anos, desde o momento em que estratégia global foi apresentada, em junho de 2016, em cinco domínios prioritários — a segurança da União, a resiliência estatal e social a leste e a sul, a abordagem integrada dos conflitos e das crises, as ordens regionais de cooperação e uma governação mundial adaptada ao século XXI — e fornece orientações possíveis para os próximos anos.

eu global strategy

Prefácio do relatório sobre a aplicação da estratégia global da UE, elaborado pela Alta Representante, Federica Mogherini:
 
«Nunca considerámos a estratégia global um exercício teórico. O seu objetivo foi, desde o início, orientar a nossa ação - e tal foi efetivamente o que tem acontecido desde a sua apresentação. Há três anos, teríamos descrito o mundo como sendo «complexo e conturbado»: estávamos cientes da necessidade de tornar a Europa mais forte e mais segura, bem como da nossa responsabilidade para com os cidadãos europeus e os nossos parceiros, e sabíamos que estávamos a utilizar apenas uma pequena parte do nosso potencial coletivo.

O mundo não está hoje numa situação melhor do que estava há três anos, mas a Europa é cada vez mais considerada como um ponto de referência a nível global. Isto deve-se, igualmente, ao facto de termos explorado o potencial inexplorado da nossa União — sobretudo em matéria de segurança e de defesa. O presente relatório descreve o caminho que percorremos ao longo dos últimos três anos. Mostra que cumprimos muitas das promessas previstas na estratégia global e que, em alguns casos, fomos ainda mais longe do que havíamos previsto. A União Europeia da Segurança e da Defesa deu os seus primeiros passos. Os Estados-Membros estão agora a investir em projetos industriais e de investigação comuns, a fim de desenvolver todo o espetro de capacidades de defesa de que necessitamos para assegurar a nossa segurança comum. As nossas missões internacionais dispõem de melhores estruturas de comando e comprometemo-nos a investir mais nas nossas ações civis. Estamos a colaborar mais do que nunca com os nossos parceiros — dos membros das forças de manutenção da paz das Nações Unidas à NATO, das operações de paz em África à ASEAN. Os nossos parceiros sabem que a força da Europa não reside apenas na nossa capacidade de influência.

Mas esta não é a única razão pela qual somos, cada vez mais, um ponto de referência a nível global. Num momento histórico em que as Nações Unidas e o próprio conceito de «governação mundial assente em regras» estão a ser alvo de uma pressão cada vez maior, decidimos investir, mais do que nunca, no multilateralismo. Demos provas disso ao reforçar os nossos compromissos financeiros para com o sistema das Nações Unidas, ajudando, nomeadamente, a Agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos a sair da crise financeira em que se encontrava, apoiando a agenda de reformas do Secretário-Geral das Nações Unidas e envidando esforços no sentido de preservar o acordo nuclear com o Irão. Mas não é tudo. Temos tentado, desde sempre, construir o quadro multilateral mais adaptado para resolver cada uma das crises mundiais, porque esta é a única forma de encontrar soluções sustentáveis para os problemas com que nos defrontamos. Sempre pusemos a nossa capacidade de mobilização ao serviço do multilateralismo, a fim de trazermos as potências regionais e mundiais relevantes à mesa das negociações. É esta a ideia subjacente às conferências de Bruxelas sobre a Síria, ao Grupo de Contacto Internacional sobre a Venezuela, ao Quarteto para a Líbia e às reuniões regionais que organizámos sobre o Afeganistão. Sentimo-nos responsáveis por desempenhar o papel que nos incumbe, de forma cooperativa.

Isto aplica-se à nossa própria região do mundo, começando pelos Balcãs, onde o potencial positivo do nosso compromisso é enorme e sem precedentes, mas é igualmente verdade no que toca ao resto do mundo. A União Europeia tornou-se um parceiro cada vez mais indispensável no que toca à prossecução da paz e da segurança em todo o mundo.

A estratégia global teceu não só uma visão do lugar da Europa no mundo, mas promoveu também, essencialmente, uma maior coerência a nível da ação externa da União. Defendemos a necessidade de sermos mais «integrados», não só de forma a avançarmos no sentido de uma União cada vez mais estreita mas, sobretudo, para tornarmos a nossa ação mais eficaz e mais incisiva. Durante os últimos anos, realizámos progressos a nível da sincronização das nossas políticas de desenvolvimento e de segurança. Deixou de ser possível negar a relação que existe entre acontecimentos internos e acontecimentos externos, e as nossas políticas evoluíram em conformidade. Desenvolvemos instrumentos financeiros mais inteligentes, como os fundos fiduciários, e os Estados-Membros da UE colaboram no âmbito do Conselho de Segurança das Nações Unidas de uma forma que seria impensável há apenas três anos.

A estratégia global tem sido a nossa bússola coletiva nestes tempos difíceis. A estratégia constitui o resultado de dois anos de reflexão coletiva entre as instituições da UE e os Estados-Membros, mas também com a sociedade civil e os meios académicos. Ao longo deste processo, surgiu um novo consenso sobre aquilo de que a nossa União necessitava, sobre o que nos faltava e sobre o rumo a seguir.

Só foi possível realizar progressos graças a uma forte vontade política coletiva para avançar.
No entanto, tudo o que alcançámos poderá vir a ser efémero se, no futuro, essa vontade política se desvanecer. Os resultados obtidos precisam de ser consolidados e as novas vias abertas têm de continuar a ser exploradas. O presente relatório destaca os resultados e as lacunas e sugere opções para possíveis ações futuras.

Ao optarmos por uma estratégia global, escolhemos a via para uma Europa mais forte, uma escolha que terá de ser confirmada, todos os dias, ao longo de todas as fases do processo.»

- Federica Mogherini
 
 
Clique para alargar e ler o relatório:

 

Secções editoriais: