Delegation of the European Union to Djibouti and IGAD

Comunicado à imprensa conjunto – 8º Diálogo Político de Alto Nível União Europeia-Brasil sobre a Dimensão Ambiental do Desenvolvimento Sustentável, em 16 de outubro de 2020 (reunião virtual)

Brussels, 16/10/2020 - 22:59, UNIQUE ID: 201016_69
Joint Statements

A UE e o Brasil realizaram o 8º Diálogo Político de Alto Nível UE-Brasil sobre a Dimensão Ambiental do Desenvolvimento Sustentável em 16 de outubro de 2020 (reunião virtual). As discussões foram frutíferas e cobriram as principais questões ambientais de interesse comum.

O Diálogo insere-se nos vários contatos e canais de cooperação entre a UE e o Brasil em questões de meio ambiente e conservação, incluindo a conversa em 29 de julho passado entre o Ministro do Meio Ambiente do Brasil Ricardo Salles e o Comissário do Meio Ambiente da UE Virginijus Sinkevičius, bem como a interação entre a UE com o Conselho Nacional para a Amazônia Legal.

Da parte da UE, o Diálogo foi presidido por Astrid Schomaker, Diretora de Desenvolvimento Sustentável Global da Direção-Geral do Meio Ambiente da Comissão Europeia, acompanhada pelo Embaixador Ignacio Ybáñez, Embaixador da UE no Brasil. Outros representantes da UE contribuíram para diferentes partes temáticas da agenda. Do lado do Brasil, o Diálogo foi presidido por Leonardo Cleaver de Athayde, Diretor do Departamento de Meio Ambiente do Ministério das Relações Exteriores, e acompanhado por Eduardo Lunardelli Novaes, Secretário-Executivo Adjunto do Ministério do Meio Ambiente, e outros representantes desses mesmos ministérios e do Ministério do Desenvolvimento Regional, que interagiram em diferentes partes da ordem do dia.

O Diálogo abordou os principais problemas ambientais das relações bilaterais e multilaterais, com biodiversidade e florestas e temas de água e tratamento de resíduos recebendo especial destaque nas discussões. O foco principal abarcou três tópicos (1) Biodiversidade, bioeconomia, gestão sustentável dos recursos naturais, florestas e seus desafios; (2) Economia circular, no contexto de padrões de produção e consumo sustentáveis, e eficiência de recursos e (3) Cooperação bilateral em água e saneamento.

 

Ambas as partes concordaram sobre a importância de manter um intercâmbio permanente de opiniões e a necessidade de identificar outras áreas concretas de cooperação bilateral futura no campo da sustentabilidade ambiental e questões relacionadas.